T1EP3 💰 ATRAVESSIA DE CANOA EM BUSCA DO CONTRABANDO




🙌 O meu nome é Afonso Melara e sou aventureiro por (e na) natureza. Vivo a minha vida numa busca constante de adrenalina diária, que já há muito tempo, merecia ser exposta ao mundo.

💰 Contrabando, um tema atualmente sensível e muitas das vezes relacionado com substâncias ilícitas, mas que nos tempos dos antigos regimes ditatoriais português e espanhol, liderados respetivamente por Salazar e por Franco, tinha outro significado.

Ser contrabandista por terras raianas era uma profissão tão comum como a de um agricultor, a única diferença é que existia um risco e um lucro muito maior associado. Chamavam-lhe as raspadinhas do antigamente, pois ou se ganhava tudo ou perdia-se tudo!

O contrabando era sobretudo de bens de primeira necessidade, que por intermédio de uma linha fronteiriça impossível de ser eficiente patrulhada em todo o seu perímetro, dava lugar a um novo negócio que crescia do ativo da proximidade com espanhóis e vice versa. Trespassava-se tudo o que era mais barato de um lado e caro do outro, mas o café, tecidos, tabaco e álcool foram sempre os produtos mais cobiçados.

Até à entrada de ambos os países para a união europeia, a livre circulação de pessoas e bens estava limitada e na maioria das vezes carecia de impostos. Em 1986, Portugal entra para a CEE e todas estas aldeias perdem um pouco do seu propósito de existência. A proximidade entre a Fontanheira e os Galegos/Pitaranha não representava mais um ativo a ser explorado. Deu-se o êxodo do rural e duas mãos chegaram para contar os habitantes que por cá ficaram.

Os que partiram não sabiam, mas a história por ser cíclica sim e quis o destino que passados 34 anos as fronteiras voltassem a fechar por força de um estado de emergência motivado por um vírus e uma pandemia que assombrou e continua a assombrar o mundo e o nosso dia-a-dia. Mas como sabem eu não sou rapaz de ficar com medo em casa e como tal lancei-me numa odisseia atribulada onde paralelamente tinha o propósito de vos apresentar os testemunhos do antigamente e as histórias do presente. De um contrabando que continua vivo porque a fronteira essa, nunca deixou de existir.


Deixe um comentário

Tenha em atenção que os comentários precisam de ser aprovados antes de serem exibidos